Quartel General do Exército (QGEx) 1, Brasília

Selected for Google Maps and Google Earth

“Senhor, umas casas existem, onde homens vivem em comum, comendo do mesmo alimento, dormindo em leitos iguais. De manhã, a um toque de corneta se levantam para obedecer. De noite a outro toque de corneta se deitam obedecendo. Da Vontade fizeram renúncia como da vida. Seu nome é sacrifício. Por ofício desprezam a morte e o sofrimento físico. Seus pecados mesmo são generosos, facilmente esplêndidos. A beleza de suas ações é tão grandes que os poetas não se cansam de a celebrar. Quando eles passam juntos, fazendo barulho, os corações mais cansados sentem estremecer alguma coisa dentro de si. A gente os conhece por militares."

"Corações mesquinhos lançam-lhes em rosto o pão que comem, como se os cobres de pré pudessem pagar a Liberdade e a Vida. Publicistas de vista curta acham-nos caros de mais, como se alguma coisa houvesse mais cara que a servidão. Eles, porém calados continuam guardando a Nação do estrangeiro e de si mesma. Pelo preço de sua sujeição eles compram a liberdade para todos e defendem da invasão estranha e do jugo das paixões. Se a força das coisas os impede agora de fazer em rigor tudo isto, algum dia o fizeram, algum dia o farão. E, desde hoje, é como se o fizessem. Porque por definição o homem de guerra é nobre. E quando ele se põe em marcha, à sua esquerda vai a coragem e a sua direita a disciplina”. (Trecho da Carta a El Rei de Portugal, por Moniz Barreto em 1883.)

Show more
Show less
Save Cancel Want to use bold, italic, links?

Comments (10)

Rubens Craveiro on November 14, 2009

Quartel General do Exército (QGEx), Brasília: Projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer e paisagístico de Roberto Burle Marx, foi iniciado em 1969 e inaugurado em 1973. É a sede do Comando do Exército Brasileiro, abrigando o Estado-Maior do Exército (EME), Comando de Operações Terrestres (COTER), Órgãos Setoriais (OS) e Órgãos de Apoio Setoriais (OAS) subordinados, de sua estrutura administrativa. É formado por um conjunto de dez edifícios de linhas sóbrias, ligados por um corredor que, por semelhança, ganhou a alcunha de túnel do tempo. Sua estrutura peculiar lembra um grande forte militar, o que inspirou os visitantes a batizá-lo de Forte Apache.

À frente, na face W, destaca um palanque em forma de concha e um obelisco que pelo formato evocam a lâmina e a guarda da espada do Duque de Caxias, Patrono do Exército. A acústica da concha provoca um eco que se tornou motivo de atração para os turistas que a visitam.

Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, (Porto da Estrela, 25Ago1803 — Desengano, 07Mai1880) foi um dos mais importantes militares e estadistas da história do Brasil, responsável por importantes ações militares "pacificadoras" em movimentos revoltosos internos. Participou das lutas da Independência, em 1822-1823, do esforço pela manutenção da ordem pública na capital do Império, após a abdicação de Pedro I, em 1831, e dominou os movimentos revoltosos da Balaiada, no Maranhão (1839), dos liberais Revolução Liberal em Minas Gerais e São Paulo (1842) e a Farroupilha, no Rio Grande do Sul (1845); nessa ocasião conclamou os revoltosos a “marcharem não peito, mas ombro a ombro em defesa da Patria nossa mãe comum”. No plano externo, participou de todas as campanhas platinas do Brasil independente, como a campanha da Cisplatina (1825-1828), contra as Províncias Unidas do Rio da Prata. Comandante-chefe do Exército do Sul (1851), dirigiu as campanhas vitoriosas contra Oribe e Rosas, (1851 – 1852). Comandante-geral das forças brasileiras (1866) e, pouco depois, Comandante-geral dos exércitos da Tríplice Aliança (1867), na Guerra do Paraguai (1864-1870), onde teve importante atuação estratégica, comandando uma fase de vitórias, como nas batalhas do Avaí e Lomas Valentinas. Na vida política do Império seu papel foi, também, significativo, como um dos líderes do Partido Conservador, tornando-se Senador vitalício desde 1845; foi presidente das províncias do Maranhão e Rio Grande do Sul. Em reconhecimento aos seus serviços, o Imperador Pedro II agraciou-o, sucessivamente, com os títulos de Barão, Conde, Marquês e Duque de Caxias. Para culto de sua memória, o governo federal proclamou-o, em 1962, "Patrono do Exército Brasileiro". O dia do seu nascimento, 25 de agosto, é considerado o Dia do Soldado. (Wikipedia).

À frente da Concha Acústica palanques metálicos armados para as comemorações do Dia do Soldado.

AntonioJVidaL on November 15, 2009

**Como é sublime

Saber amar,

Com a alma adorar

A terra onde se nasce!** O BRASIL acima de tudo! Parabéns amigo.

Rubens Craveiro on November 15, 2009

Amigo AjoVidal:

Você sabe como tocar em sentimentos tão caros. Obrigado pela visita e pela bela mensagem. Abraço Rubens

Paulo Yuji Takarada on November 16, 2009

Rubens Craveiro, é um lindo panorâmico de um local muito importante, parabéns pelo registro.

Pela história da obra e do Patrono do Exército Brasileiro percebe que realmente o local é digno para homenageá-lo. Lembrando que o grande arquiteto e paisagista completaram a plasticidade e ornamentações desta obra pública.

Obrigado pela visita e grande comentário que você fez na foto da Catedral Nossa Senhora de Glória, porque até quem faz o click, não tinha percebido os detalhes que você comentou.

Saudações, de Dourados - Mato Grosso do Sul - Brasil

Rubens Craveiro on November 16, 2009

**Paulo Yuji Takarada:

Obrigado pela visita e pelo honroso comentário. Abraço Rubens

Jesus Municio on November 17, 2009

Bella construcción y mejor panorámica, con la documentación completa que la ilustra. TBOP Un abrazo. jesús

Rubens Craveiro on November 18, 2009

Amigo Jesús:

Obrigado pela visita e gentil comentário. Abraço Rubens

Augusto Janiscki Jun… on June 23, 2010

Fantástica panorâmica , realmente e bela esta cosntrução , além de sempre uma completa informação sobre os local. Saudações de Curitiba Augusto

Rubens Craveiro on June 28, 2010

Prezado amigo Janiscki:

Alegre com o seu retorno, agradeço-lhe o gentil comentário. Saudações e um abraço de Brasília para Curitiba. Rubens

Rubens Craveiro on July 16, 2010

Rafael Silva Ribeiro:

Concordo com você; não nasci em Brasília mas também a adoro. A vida relativamente tranqüila, as facilidades decorrentes do planejamento, o encanto da cidade, que soube suprir a inexistência de belos acidentes geográficos, como os do Rio, por uma ampla arborização, povo hospitaleiro, mescla de origens e costumes os mais diversos oriundos de todos os recantos do País, beleza dos edifícios públicos e mesmo particulares, enfim que a fez diferente e linda. Saudações, Rubens Craveiro

Sign up to comment. Sign in if you already did it.

Photo taken in Smu, Brasilia - Federal District, Brazil

Photo details

  • Uploaded on November 14, 2009
  • © All Rights Reserved
    by Rubens Craveiro

Groups