Ipanema - Rio de Janeiro ©Germano Schüür

Selected for Google Maps and Google Earth

Zuenir Ventura

A cerimônia se repete todo dia. No começo da noite, quando o sol acaba de cumprir o seu trajeto habitual e desaparece lá pelos lados do Vidigal, os banhistas da Zona Sul se levantam da areia e aplaudem de pé. Os moradores já estão acostumados com o ritual. De casa ouço o barulho das palmas, dos assovios, de gritos e exclamações que se espalham pela Praia de Ipanema entre 19h30m e 19h45m. Às vezes vou ver.

São jovens que não eram nascidos no verão de 68/69, quando o costume foi lançado num "dia de exportação", como se dizia. Diante de um pôr-do-sol como esses de agora, o jornalista Carlos Leonam não se conformou: Essa tarde merece uma salva de palmas! Imediatamente, o grupo em que estava na altura do Posto 9 - Glauber Rocha, Jô Soares, João Saldanha, entre outros - deu início aos aplausos. Depois, o publicitário Roberto Duailib consagrou a cena, recriando-a num comercial de bronzeador para a televisão. A cidade que, segundo Nelson Rodrigues, vaiava até minuto de silêncio era capaz, também, de aplaudir o entardecer.

De lá para cá, tudo mudou - o país, a cidade, o mar, a praia, menos o sol. Em forma de enorme bola de fogo, ele continua realizando sua lenta e cuidadosa operação de descida em direção ao mar. Durante os 10 minutos que leva para mergulhar por inteiro, a praia lotada permanece observando em contrito silêncio, à espera da explosão final.

Na terça-feira passada, porém, foi diferente. O boletim do tempo informara que o céu estaria nublado e que a lua nova se encontrava em transição, como o país. O sol deveria se pôr às 19h43m, mas chegou um pouco atrasado e escondeu-se atrás de estranhas nuvens luminosas, estreitas, dispostas em grupos como se fossem pinceladas ralas e irregulares sobre o azul. A meteorologista Marlene Leal, a quem recorri no dia seguinte, explicou que aqueles "rabos-de-galos" eram formados por diminutos cristais de gelo situados a grandes altitudes. E que o delírio de luz e cor que me deslumbrara ocorria por causa da incidência dos raios solares sobre os cristais. Um mero fenômeno de reflexão chamado cirro-estrato.

No entanto, para a jornalista da TV italiana que estava fazendo uma reportagem sobre a violência no Rio, era outra coisa. Das pedras do Arpoador, câmera na mão, ela não sabia o que admirar mais: se o espetáculo do pôr-do-sol ou o da salva de palmas. Viera atrás do inferno e estava ali, atordoada pela beleza, diante de uma visão do paraíso.

Show more
Show less
Save Cancel Want to use bold, italic, links?

Comments (28)

« Previous12Next »
marcelo da victoria … on July 1, 2011

Morar no Rio de Janeiro é ser feliz eternamente!

Sofia kawka do Prado on August 15, 2011

Parabéns pela galeria, lindas fotos, gostoso de se ver, lugares sensacionais e concordo com o comentário acima do marcelo,feliz de quem vive no Rio é lindo sem duvida. Linda essa foto,LIKE. Te adicionei a fotografos favoritos por essas e mais fotos maravilhosas que com certeza virão.Abraço sofia PR

Christos Theodorou on January 2, 2012

Fantastic shot! Well done – Best Wishes and Happy New Year

Deivid Douglas Ramos on January 3, 2012

Linda foto!

brossi.cl on June 4, 2012

muy buena.

Ivan Bachmann on December 20, 2012

Legal.

dziwnowik on June 4, 2013

♥ ♥ ♥ ✰✰✰ LIKE ✰✰✰ ♥ ♥ ♥

♥ ♥ ♥ Pozdrowienia z Dziwnowa , Peterek ♥ ♥ ♥


zapraszam do przeglądania jednej z najciekawszych grup w ♠ PANORAMIO


André Bonacin on February 28

Linda!

« Previous12Next »

Sign up to comment. Sign in if you already did it.

Germano Schüür
Caxias do Sul \u002D Rio Grande do Sul, República Federativa do Brasil

Photo details

  • Uploaded on January 25, 2007
  • © All Rights Reserved
    by Germano Schüür

Groups