Panoramio is closing. Learn how to back up your data.

Rio de Janeiro - Vista a partir do Corcovado ©Germano Schüür

Existe cidade no mundo mais bela que esta ?

Vamos ver o que diz o Wikipedia sobre ela:

A Cidade do Rio de Janeiro é a segunda maior do Brasil e capital do estado de mesmo nome, situado no sudeste do Brasil. A cidade é famosa por suas praias turísticas, como Copacabana e Ipanema, pela estátua do Cristo Redentor no morro do Corcovado, e por seu Carnaval.

Além de suas belezas naturais, que encantam milhões de turistas que a visitam todo o ano, a cidade, que foi sede do governo durante o período colonial e capital do Brasil (de 1763 a 1960), abriga um importante acervo arquitetônico e histórico.

A cidade tem o epíteto de Cidade Maravilhosa e aquele que nela nasce é chamado de carioca ("casa do homem branco" em tupi).

GEOGRAFIA

A Cidade do Rio de Janeiro foi alcunhada de Cidade Maravilhosa pelo escritor e jornalista Coelho Neto, em 1908, nas páginas do jornal "A Notícia". O apelido se manteve e é reconhecido internacionalmente. Isso se deve à sua paisagem natural e ao espírito de seu povo, marcadamente cosmopolita.

A Floresta da Tijuca, com 14,8 milhões de m², faz parte do Parque Nacional da Tijuca. Com 34,5 milhões de m², o parque abriga outros dois trechos da Mata Tropical Atlântica: a Serra da Carioca e a Pedra da Gávea.

HISTÓRIA

Período colonial

A baía à margem da qual a cidade se organizou - Baía de Guanabara -, foi descoberta pelo explorador português Gaspar de Lemos em 1° de janeiro de 1502. Erroneamente afirma-se que o nome da cidade - Rio de Janeiro - foi escolhido porque os portugueses acreditavam que a Baía de Guanabara era a foz de um rio. Na verdade, na época não havia qualquer distinção de nomenclatura entre rios, sacos e baías, motivo pelo qual foi o corpo d'água corretamente designado como rio. Os franceses se estabeleceram na zona em 1555 e foram expulsos pelos portugueses em 1567.

A cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro foi fundada por Estácio de Sá, que desembarcou num istmo entre o Morro Cara de Cão e o Pão de Açúcar, subjugando franceses calvinistas da Bretanha e da Normandia, os quais, aliados a grupos indígenas hostis, alimentavam o projeto de Nicolas Durand de Villegagnon de estabelecer no Brasil uma colônia francesa chamada França Antártica. A idéia aprovada pelo almirante Gaspar de Coligny e apoiada pelo rei de França, Henrique II, ameaçava, 63 anos depois, a grande conquista portuguesa.

A vitória de Estácio de Sá foi o ato histórico criador da Cidade, quando os portugueses garantiram, em 1° de março de 1565, a posse do Rio de Janeiro, rechaçando a partir daí novas tentativas de invasões estrangeiras e expandindo, à custa de guerras, o seu domínio sobre as ilhas e o continente. Construiu na entrada da baía, em uma praia protegida pelo morro do Pão de Açúcar, uma fortificação composta por simples casinhas feitas de troncos de madeira e barro, que foi mais tarde destruída para um novo povoamento no entorno do morro do Castelo (completamente arrasado em 1922), onde atualmente se localiza a região central da cidade. O novo povoado marca, de fato, o começo da expansão urbana.

Durante quase todo o século XVII a Cidade teve um desenvolvimento lento. Uma rede de pequenas ruelas conectava entre si as igrejas, ligando-as ao Paço e ao Mercado do Peixe, à beira do cais, nascendo a partir delas as principais ruas do atual Centro. Com cerca de 30 mil habitantes na segunda metade do século XVII, o Rio de Janeiro tornara-se a cidade mais populosa do Brasil, passando a ter importância fundamental para o domínio colonial. Essa importância tornou-se ainda maior com a exploração de jazidas de ouro em Minas Gerais, no século XVIII, pois sua proximidade levou a consolidação da cidade como um importante centro portuário e econômico. Em 1763, o ministro português Marquês de Pombal transferiu a sede da colônia para o Rio de Janeiro, onde Salvador até esta data ocupava esta condição.

A Cidade do Rio de Janeiro foi a capital do Brasil de 1763 a 1960, quando o governo foi transferido para Brasília, mas se mantém a segunda maior cidade do país, depois de São Paulo. Entre 1808 e 1815 foi a capital do Reino de Portugal e dos Algarves, como era oficialmente designado Portugal na época. Entre 1815 e abril de 1821, foi a capital do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves após a elevação do Brasil a parte integrante do Reino Unido. É a única cidade do mundo que sediou um império europeu fora da Europa.

Período imperial e republicano

Após a independência, a cidade tornou-se a capital do Império do Brasil, enquanto a província enriquece com a agricultura canavieira da região de Campos e, principalmente, com o novo cultivo do café no Vale do Paraíba. Para separar a província e a capital do Império, a cidade converte-se, em 1834, em Município Neutro e a província do Rio de Janeiro passa a ter como capital Niterói.

Como centro político do país, o Rio de Janeiro concentrava a vida político-partidária do Império e, na metade final do século XIX, os movimentos abolicionista e republicano. Durante a República Velha, com a decadência de suas áreas cafeeiras, o estado perde a força política para São Paulo e Minas Gerais.

Com a proclamação da República, nas últimas décadas do século XIX e início do XX,o Rio de Janeiro enfrentava graves problemas sociais de seu crescimento rápido e desordenado. Com o declínio do trabalho escravo, a cidade passara a receber grandes contingentes de imigrantes europeus e de ex-escravos, atraídos pelas oportunidades que ali se abriam ao trabalho assalariado. Entre 1872 e 1890, sua população duplicou, passando de 274 mil para 522 mil habitantes.

O aumento da pobreza agravou a crise habitacional, traço constante da vida urbana no Rio desde meados do século XIX. O epicentro dessa crise era ainda, e cada vez mais, o miolo do Rio de Janeiro – a Cidade Velha e suas adjacências –, onde se multiplicavam as habitações coletivas e onde eclodiam as violentas epidemias de febre amarela, varíola, cólera que conferiam à cidade fama internacional de porto sujo.

Muitas campanhas de erradicação dessas doenças, feitas pelos governos na época, não foram bem recebidas pela população carioca. Houve várias revoltas populares, entre elas a Revolta da Vacina em 1904, além das reformas urbanas do Centro, executadas pelo engenheiro Pereira Passos, no qual demoliu cortiços e deslocou sua população pobre que habitavam a região central para as encostas de morros, na zona portuária e no bairro do Caju, como os morros da Saúde e da Providência, que cresceram de maneira muito desordenada. Isso fez iniciar o processo de favelização, ainda não muito preocupante na época, o que não impediu a execução de várias outras reformas urbanas e sanitárias que estavam por vir, que mudaram a imagem da então capital da República.

Após a mudança da Capital Federal para Brasília em 1960, esta cidade até 1975 foi transformada numa cidade-estado com o nome de estado da Guanabara. Ocorreu então sua fusão com o antigo estado do Rio de Janeiro em 15 de março de 1975, e em 23 de julho foi promulgada a Constituição do estado do Rio de Janeiro.

Em 1992, a cidade foi sede da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUCED), mais conhecida como Rio-92, ou ECO-92. Foi a primeira reunião internacional de peso a se realizar depois do fim da Guerra Fria e contou com a presença de delegações de 175 países.

Atualmente a cidade vem se preparando para sediar os Jogos Pan-Americanos de 2007 investindo em estruturas esportivas.

Demografia

A população estimada do Rio de Janeiro em 1º de Julho de 2005 pelo IBGE é de 6.094.183 habitantes. A Região Metropolitana do Rio de Janeiro tem mais de 12 milhões de habitantes. A cidade é considerada a segunda cidade mais portuguesa do mundo, depois de Lisboa, sendo a segunda maior cidade do Brasil em população. Também há muitos afro-descendentes desde o período colonial, principalmente descendentes de escravos trazidos de Benim, Angola e Moçambique, alemães, italianos, russos, suíços, libaneses, judeus, espanhóis, franceses, argentinos chineses e seus descendentes. Na cidade há importante contigente de migrantes de outros Estados, a partir da segunda metade do século XX, principalmente de nordestinos; em especial paraibanos e pernambucanos, muito presentes na cidade.

Clima

O clima da cidade é tropical oceânico, com temperatura anual média de 23,8ºC. A temperatura máxima absoluta registrada oficialmente foi de 43,2°C em Bangu, no dia 14 de janeiro de 1984. Já a mínima oficial foi registrada no Campo dos Afonsos: 4.8°C em 19 de julho de 1926. Não oficialmente, já se registraram máximas de 45°C e mínimas de 3°C.

A média anual pluviométrica oficial é de 1.183mm (registrada entre 1961-1990 no bairro da Glória). Porém, existem bairros de encosta em que a média chega a quase 2.000mm, tais como Rocinha e Itanhangá, enquanto em bairros do Subúrbio da Leopoldina como Penha, Irajá, Pavuna, Cordovil e Brás de Pina tem uma média de apenas 900mm. A média geral da cidade é de 1.250mm.

Subdivisões

O município do Rio de Janeiro é dividido em 160 bairros, agrupados em 33 regiões administrativas. A cidade conta com 19 subprefeituras.

TRANSPORTES

Aeroportos

A cidade conta com três aeroportos comerciais:

o Aeroporto Santos-Dumont, pequeno, localizado no centro da cidade, basicamente cobrindo o tráfego Rio-São Paulo e vôos estaduais o Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim, de grande porte e com dois terminais de passageiros, localizado na Ilha do Governador. o Aeroporto de Jacarepaguá, na Zona Oeste, o menor deles e não usado para vôos de grandes empresas comerciais, sendo utilizado principalmente para vôos particulares e esportivos (planadores e assemelhados). Além disso, ainda existem os aeroportos militares: a Base Aérea do Galeão, junto ao aeroporto internacional, o Base Aérea dos Afonsos (conhecida como Campo dos Afonsos) e a Base Aérea de Santa Cruz.

Heliportos

A cidade ainda conta com vários heliportos e helipontos. Além da possibilidade de pousar nos aeroportos, ainda existem o Heliporto da Lagoa.

Porto

O Porto do Rio de Janeiro localiza-se na costa leste da Baía de Guanabara, perto da zona central da cidade e atende os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Acre e áreas do sudoeste de Goiás e do sul da Rio Grande do Norte, entre outras.

Metrô

O Rio de Janeiro é servido por uma rede metroviária que integra bairros e municípios distantes, ligando desde o bairro de Pavuna, na Zona Norte, até Copacabana, sendo então integrados por ônibus especiais, que passam por Ipanema e vão até a Gávea.Também há integrações especiais da Pavuna para cidades da Baixada Fluminense como Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis e Nova Iguaçu.Futuramente também terá integrações para Belford Roxo.Ao longo da rede metroviária há outras pequenas integrações. Recentemente, espera-se a abertura da terceira estação de Copacabana, Cantagalo. Em 2007/2008 seguindo o cronograma entrará em funcionamento a estação General Osório, localizada no bairro de Ipanema.

Possui 42 km de extensão distribuída em duas linhas e 38 estações e é a cidade com a segunda mais extensa rede metroviária do Brasil. Diariamente, o Metrô do Rio de Janeiro transporta 470 mil passageiros.

Ônibus

Este é o transporte mais utilizado no Rio de Janeiro. A melhoria de qualidade no funcionamento do transporte coletivo de passageiros é reflexo de um trabalho de planejamento estratégico para a política de transporte do setor.

A cidade do Rio de Janeiro possui, em proporção a seu tamanho como metrópole, o pior sistema de transportes por ônibus do mundo, por ausência de integração, sobreposição de linhas, concorrência direta e indireta com os transportes de massa, ausência de regulamentação e fiscalização adequada e excesso de poder dos operadores.

Nos últimos dez anos, houve perda de usuários para demais meios, especialmente o transporte alternativo, mais um fruto desse caos relatado. Ainda assim, são cerca de 4 milhões de usuários/dia apenas nas linhas municipais, que são cerca de 440 linhas mais outros tantos serviços e uma frota de quase 10 mil ônibus.

Trens urbanos

Com uma malha ferroviária urbana de 225 km de extensão, a região metropolitana do Rio de Janeiro possui o mais extenso serviço de transportes sobre trilhos do Brasil. A linha ferroviária atualmente é administrada pela Supervia, e faz ligação do Centro da cidade até as Zonas Oeste e Norte do Rio de Janeiro e a alguns municípios da Baixada Fluminense.

Boa parte da Zona Norte e Oeste tem a história vinculada diretamente pelas estações ferroviárias que surgiram a partir da segunda metade do século XIX. O trem chegou a transportar 1 milhão de pessoas por dia útil em 1984, chegou a uma crise que reduziu esse número em quase dez vezes no final dos anos 90 e após a privatização, há um processo constante de recuperação que leva hoje o sistema a 400 mil usuários/dia útil, com integrações ainda tímidas com ônibus e com o metrô, apenas na cidade do Rio de Janeiro, além do retorno de investimentos feitos pelo Governo do estado como a aquisição de novos trens, já em circulação..

Cultura

A cidade conta com um grande número de museus, centros culturais, teatros, cinemas, etc, sendo a cidade do Brail com maior número de museus e centros culturais em números absolutos e a segunda com maior número de teatros e cinemas.É também a cidade brasileira com mais shoppings centers, ao todo 39.Também tem os maiores shoppings do Brasil em número de lojas, como o Cittá América com 594, Barra Shopping com pouco mais de 560, dentre outros.É definitivamente a capital brasileira da cultura.

Curiosidades sobre a cidade do Rio de Janeiro

A cidade do Rio de Janeiro é mundialmente conhecida como Cidade Maravilhosa, título que obteve no meio do último século e com o qual permanece até hoje.

A cidade é considerada berço cultural e social do Brasil, sendo considerada por muitos o "retrato" ou o "resumo" do Brasil.

Com o surgimento da Bossa Nova, o bairro carioca Copacabana e as belezas da cidade passaram a ser conhecidas em todo o mundo.

A cidade já foi candidata a sediar as Olimpíadas duas vezes e atualmente é candidata para 2016.

É a cidade com a segunda maior população de portugueses do mundo, só perdendo para Lisboa.

Fonte: Wikipedia)

Show more
Show less
Caxias do Sul \u002D Rio Grande do Sul, República Federativa do Brasil

Photo details

  • Uploaded on January 29, 2007
  • Attribution-Noncommercial-No Derivative Works
    by Germano Schüür