Rio de Janeiro - Vista a partir do Corcovado ©Germano Schüür

Selected for Google Maps and Google Earth

Existe cidade no mundo mais bela que esta ?

Vamos ver o que diz o Wikipedia sobre ela:

A Cidade do Rio de Janeiro é a segunda maior do Brasil e capital do estado de mesmo nome, situado no sudeste do Brasil. A cidade é famosa por suas praias turísticas, como Copacabana e Ipanema, pela estátua do Cristo Redentor no morro do Corcovado, e por seu Carnaval.

Além de suas belezas naturais, que encantam milhões de turistas que a visitam todo o ano, a cidade, que foi sede do governo durante o período colonial e capital do Brasil (de 1763 a 1960), abriga um importante acervo arquitetônico e histórico.

A cidade tem o epíteto de Cidade Maravilhosa e aquele que nela nasce é chamado de carioca ("casa do homem branco" em tupi).

GEOGRAFIA

A Cidade do Rio de Janeiro foi alcunhada de Cidade Maravilhosa pelo escritor e jornalista Coelho Neto, em 1908, nas páginas do jornal "A Notícia". O apelido se manteve e é reconhecido internacionalmente. Isso se deve à sua paisagem natural e ao espírito de seu povo, marcadamente cosmopolita.

A Floresta da Tijuca, com 14,8 milhões de m², faz parte do Parque Nacional da Tijuca. Com 34,5 milhões de m², o parque abriga outros dois trechos da Mata Tropical Atlântica: a Serra da Carioca e a Pedra da Gávea.

HISTÓRIA

Período colonial

A baía à margem da qual a cidade se organizou - Baía de Guanabara -, foi descoberta pelo explorador português Gaspar de Lemos em 1° de janeiro de 1502. Erroneamente afirma-se que o nome da cidade - Rio de Janeiro - foi escolhido porque os portugueses acreditavam que a Baía de Guanabara era a foz de um rio. Na verdade, na época não havia qualquer distinção de nomenclatura entre rios, sacos e baías, motivo pelo qual foi o corpo d'água corretamente designado como rio. Os franceses se estabeleceram na zona em 1555 e foram expulsos pelos portugueses em 1567.

A cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro foi fundada por Estácio de Sá, que desembarcou num istmo entre o Morro Cara de Cão e o Pão de Açúcar, subjugando franceses calvinistas da Bretanha e da Normandia, os quais, aliados a grupos indígenas hostis, alimentavam o projeto de Nicolas Durand de Villegagnon de estabelecer no Brasil uma colônia francesa chamada França Antártica. A idéia aprovada pelo almirante Gaspar de Coligny e apoiada pelo rei de França, Henrique II, ameaçava, 63 anos depois, a grande conquista portuguesa.

A vitória de Estácio de Sá foi o ato histórico criador da Cidade, quando os portugueses garantiram, em 1° de março de 1565, a posse do Rio de Janeiro, rechaçando a partir daí novas tentativas de invasões estrangeiras e expandindo, à custa de guerras, o seu domínio sobre as ilhas e o continente. Construiu na entrada da baía, em uma praia protegida pelo morro do Pão de Açúcar, uma fortificação composta por simples casinhas feitas de troncos de madeira e barro, que foi mais tarde destruída para um novo povoamento no entorno do morro do Castelo (completamente arrasado em 1922), onde atualmente se localiza a região central da cidade. O novo povoado marca, de fato, o começo da expansão urbana.

Durante quase todo o século XVII a Cidade teve um desenvolvimento lento. Uma rede de pequenas ruelas conectava entre si as igrejas, ligando-as ao Paço e ao Mercado do Peixe, à beira do cais, nascendo a partir delas as principais ruas do atual Centro. Com cerca de 30 mil habitantes na segunda metade do século XVII, o Rio de Janeiro tornara-se a cidade mais populosa do Brasil, passando a ter importância fundamental para o domínio colonial. Essa importância tornou-se ainda maior com a exploração de jazidas de ouro em Minas Gerais, no século XVIII, pois sua proximidade levou a consolidação da cidade como um importante centro portuário e econômico. Em 1763, o ministro português Marquês de Pombal transferiu a sede da colônia para o Rio de Janeiro, onde Salvador até esta data ocupava esta condição.

A Cidade do Rio de Janeiro foi a capital do Brasil de 1763 a 1960, quando o governo foi transferido para Brasília, mas se mantém a segunda maior cidade do país, depois de São Paulo. Entre 1808 e 1815 foi a capital do Reino de Portugal e dos Algarves, como era oficialmente designado Portugal na época. Entre 1815 e abril de 1821, foi a capital do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves após a elevação do Brasil a parte integrante do Reino Unido. É a única cidade do mundo que sediou um império europeu fora da Europa.

Período imperial e republicano

Após a independência, a cidade tornou-se a capital do Império do Brasil, enquanto a província enriquece com a agricultura canavieira da região de Campos e, principalmente, com o novo cultivo do café no Vale do Paraíba. Para separar a província e a capital do Império, a cidade converte-se, em 1834, em Município Neutro e a província do Rio de Janeiro passa a ter como capital Niterói.

Como centro político do país, o Rio de Janeiro concentrava a vida político-partidária do Império e, na metade final do século XIX, os movimentos abolicionista e republicano. Durante a República Velha, com a decadência de suas áreas cafeeiras, o estado perde a força política para São Paulo e Minas Gerais.

Com a proclamação da República, nas últimas décadas do século XIX e início do XX,o Rio de Janeiro enfrentava graves problemas sociais de seu crescimento rápido e desordenado. Com o declínio do trabalho escravo, a cidade passara a receber grandes contingentes de imigrantes europeus e de ex-escravos, atraídos pelas oportunidades que ali se abriam ao trabalho assalariado. Entre 1872 e 1890, sua população duplicou, passando de 274 mil para 522 mil habitantes.

O aumento da pobreza agravou a crise habitacional, traço constante da vida urbana no Rio desde meados do século XIX. O epicentro dessa crise era ainda, e cada vez mais, o miolo do Rio de Janeiro – a Cidade Velha e suas adjacências –, onde se multiplicavam as habitações coletivas e onde eclodiam as violentas epidemias de febre amarela, varíola, cólera que conferiam à cidade fama internacional de porto sujo.

Muitas campanhas de erradicação dessas doenças, feitas pelos governos na época, não foram bem recebidas pela população carioca. Houve várias revoltas populares, entre elas a Revolta da Vacina em 1904, além das reformas urbanas do Centro, executadas pelo engenheiro Pereira Passos, no qual demoliu cortiços e deslocou sua população pobre que habitavam a região central para as encostas de morros, na zona portuária e no bairro do Caju, como os morros da Saúde e da Providência, que cresceram de maneira muito desordenada. Isso fez iniciar o processo de favelização, ainda não muito preocupante na época, o que não impediu a execução de várias outras reformas urbanas e sanitárias que estavam por vir, que mudaram a imagem da então capital da República.

Após a mudança da Capital Federal para Brasília em 1960, esta cidade até 1975 foi transformada numa cidade-estado com o nome de estado da Guanabara. Ocorreu então sua fusão com o antigo estado do Rio de Janeiro em 15 de março de 1975, e em 23 de julho foi promulgada a Constituição do estado do Rio de Janeiro.

Em 1992, a cidade foi sede da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUCED), mais conhecida como Rio-92, ou ECO-92. Foi a primeira reunião internacional de peso a se realizar depois do fim da Guerra Fria e contou com a presença de delegações de 175 países.

Atualmente a cidade vem se preparando para sediar os Jogos Pan-Americanos de 2007 investindo em estruturas esportivas.

Demografia

A população estimada do Rio de Janeiro em 1º de Julho de 2005 pelo IBGE é de 6.094.183 habitantes. A Região Metropolitana do Rio de Janeiro tem mais de 12 milhões de habitantes. A cidade é considerada a segunda cidade mais portuguesa do mundo, depois de Lisboa, sendo a segunda maior cidade do Brasil em população. Também há muitos afro-descendentes desde o período colonial, principalmente descendentes de escravos trazidos de Benim, Angola e Moçambique, alemães, italianos, russos, suíços, libaneses, judeus, espanhóis, franceses, argentinos chineses e seus descendentes. Na cidade há importante contigente de migrantes de outros Estados, a partir da segunda metade do século XX, principalmente de nordestinos; em especial paraibanos e pernambucanos, muito presentes na cidade.

Clima

O clima da cidade é tropical oceânico, com temperatura anual média de 23,8ºC. A temperatura máxima absoluta registrada oficialmente foi de 43,2°C em Bangu, no dia 14 de janeiro de 1984. Já a mínima oficial foi registrada no Campo dos Afonsos: 4.8°C em 19 de julho de 1926. Não oficialmente, já se registraram máximas de 45°C e mínimas de 3°C.

A média anual pluviométrica oficial é de 1.183mm (registrada entre 1961-1990 no bairro da Glória). Porém, existem bairros de encosta em que a média chega a quase 2.000mm, tais como Rocinha e Itanhangá, enquanto em bairros do Subúrbio da Leopoldina como Penha, Irajá, Pavuna, Cordovil e Brás de Pina tem uma média de apenas 900mm. A média geral da cidade é de 1.250mm.

Subdivisões

O município do Rio de Janeiro é dividido em 160 bairros, agrupados em 33 regiões administrativas. A cidade conta com 19 subprefeituras.

TRANSPORTES

Aeroportos

A cidade conta com três aeroportos comerciais:

o Aeroporto Santos-Dumont, pequeno, localizado no centro da cidade, basicamente cobrindo o tráfego Rio-São Paulo e vôos estaduais o Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim, de grande porte e com dois terminais de passageiros, localizado na Ilha do Governador. o Aeroporto de Jacarepaguá, na Zona Oeste, o menor deles e não usado para vôos de grandes empresas comerciais, sendo utilizado principalmente para vôos particulares e esportivos (planadores e assemelhados). Além disso, ainda existem os aeroportos militares: a Base Aérea do Galeão, junto ao aeroporto internacional, o Base Aérea dos Afonsos (conhecida como Campo dos Afonsos) e a Base Aérea de Santa Cruz.

Heliportos

A cidade ainda conta com vários heliportos e helipontos. Além da possibilidade de pousar nos aeroportos, ainda existem o Heliporto da Lagoa.

Porto

O Porto do Rio de Janeiro localiza-se na costa leste da Baía de Guanabara, perto da zona central da cidade e atende os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Acre e áreas do sudoeste de Goiás e do sul da Rio Grande do Norte, entre outras.

Metrô

O Rio de Janeiro é servido por uma rede metroviária que integra bairros e municípios distantes, ligando desde o bairro de Pavuna, na Zona Norte, até Copacabana, sendo então integrados por ônibus especiais, que passam por Ipanema e vão até a Gávea.Também há integrações especiais da Pavuna para cidades da Baixada Fluminense como Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis e Nova Iguaçu.Futuramente também terá integrações para Belford Roxo.Ao longo da rede metroviária há outras pequenas integrações. Recentemente, espera-se a abertura da terceira estação de Copacabana, Cantagalo. Em 2007/2008 seguindo o cronograma entrará em funcionamento a estação General Osório, localizada no bairro de Ipanema.

Possui 42 km de extensão distribuída em duas linhas e 38 estações e é a cidade com a segunda mais extensa rede metroviária do Brasil. Diariamente, o Metrô do Rio de Janeiro transporta 470 mil passageiros.

Ônibus

Este é o transporte mais utilizado no Rio de Janeiro. A melhoria de qualidade no funcionamento do transporte coletivo de passageiros é reflexo de um trabalho de planejamento estratégico para a política de transporte do setor.

A cidade do Rio de Janeiro possui, em proporção a seu tamanho como metrópole, o pior sistema de transportes por ônibus do mundo, por ausência de integração, sobreposição de linhas, concorrência direta e indireta com os transportes de massa, ausência de regulamentação e fiscalização adequada e excesso de poder dos operadores.

Nos últimos dez anos, houve perda de usuários para demais meios, especialmente o transporte alternativo, mais um fruto desse caos relatado. Ainda assim, são cerca de 4 milhões de usuários/dia apenas nas linhas municipais, que são cerca de 440 linhas mais outros tantos serviços e uma frota de quase 10 mil ônibus.

Trens urbanos

Com uma malha ferroviária urbana de 225 km de extensão, a região metropolitana do Rio de Janeiro possui o mais extenso serviço de transportes sobre trilhos do Brasil. A linha ferroviária atualmente é administrada pela Supervia, e faz ligação do Centro da cidade até as Zonas Oeste e Norte do Rio de Janeiro e a alguns municípios da Baixada Fluminense.

Boa parte da Zona Norte e Oeste tem a história vinculada diretamente pelas estações ferroviárias que surgiram a partir da segunda metade do século XIX. O trem chegou a transportar 1 milhão de pessoas por dia útil em 1984, chegou a uma crise que reduziu esse número em quase dez vezes no final dos anos 90 e após a privatização, há um processo constante de recuperação que leva hoje o sistema a 400 mil usuários/dia útil, com integrações ainda tímidas com ônibus e com o metrô, apenas na cidade do Rio de Janeiro, além do retorno de investimentos feitos pelo Governo do estado como a aquisição de novos trens, já em circulação..

Cultura

A cidade conta com um grande número de museus, centros culturais, teatros, cinemas, etc, sendo a cidade do Brail com maior número de museus e centros culturais em números absolutos e a segunda com maior número de teatros e cinemas.É também a cidade brasileira com mais shoppings centers, ao todo 39.Também tem os maiores shoppings do Brasil em número de lojas, como o Cittá América com 594, Barra Shopping com pouco mais de 560, dentre outros.É definitivamente a capital brasileira da cultura.

Curiosidades sobre a cidade do Rio de Janeiro

A cidade do Rio de Janeiro é mundialmente conhecida como Cidade Maravilhosa, título que obteve no meio do último século e com o qual permanece até hoje.

A cidade é considerada berço cultural e social do Brasil, sendo considerada por muitos o "retrato" ou o "resumo" do Brasil.

Com o surgimento da Bossa Nova, o bairro carioca Copacabana e as belezas da cidade passaram a ser conhecidas em todo o mundo.

A cidade já foi candidata a sediar as Olimpíadas duas vezes e atualmente é candidata para 2016.

É a cidade com a segunda maior população de portugueses do mundo, só perdendo para Lisboa.

Fonte: Wikipedia)

Show more
Show less
Save Cancel Want to use bold, italic, links?

Comments (161)

Christos Theodorou 4 days ago

Amazing city, very well captured, my friend!


URGENT : We can save Panoramio ! Signing the petition form we can keep our beloved Panoramio alive !!! We need minimum 10.000 signatures, but we can reach MUCH MORE !


URGENT : On peut sauver Panoramio ! Il existe une forme de petition pour ceux qui veulent que Panoramio reste ouvert. Nous avons besoin de 10.000 signatures, mais nous pouvons atteindre BEAUCOUP PLUS !


URGENTE : Assinando o formulário de petição há a eventualidade de se manter aberto o Panoramio ! Precisamos mínimos de 10.000 assinaturas, mas podemos atingir MUITO MAIS !


URGENTE : firma de la solicitud existe la posibilidad de mantener abierta Panoramio! Tenemos que partir de 10.000 firmas, pero podemos llegar MUCHO MÁS !


URGENTE : Possiamo salvare Panoramio! Firma la petizione possiamo mantenere nostro amato Panoramio vivo !!! Abbiamo bisogno di minimo 10.000 firme, ma possiamo raggiungere MOLTO DI PIÙ !


ΕΠΕΙΓΟΝ: Μπορούμε να σώσουμε το Panoramio ! Υπογράφοντας την σχετική αίτηση μπορούμε να κρατήσουμε το αγαπημένο μας Panoramio ζωντανό. Χρειαζόμαστε 10.000 υπογραφές, αλλά μπορούμε να έχουμε ΠΟΛΥ ΠΕΡΙΣΣΟΤΕΡΕΣ !

Sign up to comment. Sign in if you already did it.

Germano Schüür
Caxias do Sul \u002D Rio Grande do Sul, República Federativa do Brasil

Photo taken in Área de Proteção Ambiental Bairro de Santa Teresa, Rio de Janeiro - State of Rio de Janeiro, Brazil
Corcovado

Photo details

  • Uploaded on January 29, 2007
  • © All Rights Reserved
    by Germano Schüür

Groups