Museu de Arte Contemporânea de Niterói - Projeto de Oscar Niemeyer ©Germano Schüür

Selected for Google Maps and Google Earth

No alto do mirante da Boa Viagem, ele é soberano. O Museu de Arte Contemporânea de Niterói impôs-se diante da bela paisagem à sua volta e tornou-se um símbolo da ousadia humana de intervir na natureza de forma harmoniosa. O MAC-Niterói é uma combinação perfeita da genialidade do arquiteto Oscar Niemeyer com os contornos da Baía de Guanabara e a magnitude das obras de arte da Colecção João Sattamini. O Museu de Arte Contemporânea de Niterói começou a ser construído em 1991, no primeiro governo de Jorge Roberto Silveira, quando era presidente da Empresa Municipal de Urbanização e Saneamento - Emusa - José Roberto Mocarzel, e Secretário de Cultura, Italo Campofiorito. Foi concluído na gestão do prefeito João Sampaio, em 2 de Setembro de 1996, sendo Guilherme, presidente da Emusa, e Luiz Antonio de Farias Mello, o Secretário da Cultura. A enorme estrutura tem linhas suaves. Uma escultura, com 16 metros de altura e 50 de diâmetro, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói conta com três pavimentos elevados e um subterrâneo. Uma grande rampa externa em betão vermelho conduz o visitante através de curvas livres no espaço às duas entradas distintas dos pavimentos superiores. O primeiro piso é ocupado pela recepção e por toda a área administrativa do MAC-Niterói. O Salão de Exposições - com 1000m² de área - fica no segundo piso, por onde se tem acesso à varanda panorâmica e aos seus 360 graus de céu e mar, emoldurados pelas montanhas da Baía de Guanabara. O mezanino, sobre o salão principal, circunda todo o interior do museu e é compartimentado em seis salas menores. Tanto a varanda panorâmica quanto o mezanino também são reservados a exposições. No subsolo estão localizadas zonas de armazém, uma plataforma elevatória para o transporte de obras de arte para o salão de exposições, as instalações de equipamentos técnicos, o bar, o restaurante e um auditório com capacidade para 60 pessoas, onde são realizadas palestras e conferências.

O MAC-Niterói está plantado numa praça aberta de 2.500m², toda em placas de betão. Fiel às características modernistas, Oscar Niemeyer não deixou que pequenos elementos interferissem na unidade de sua obra. As intervenções no exterior são o espelho d'água, na base do museu, criando a ilusão de ausência de peso, e um relvado separando a praça das escarpas do Mirante da Boa Viagem. Anna Maria Niemeyer foi responsável pelo projecto de decoração e mobilário. O projecto de infraestrutura foi da responsabilidade do Eng. Bruno Contarini. Os projectos de iluminação ambiental e de iluminação monumental foram da autoria de Peter Gasper. Externamente, o museu é iluminado por 36 faróis de avião, imersos no espelho d'água. A luz tangencial, de baixo para cima, causa ao observador a ilusão de que o edifício está suspenso, flutuando sobre o Mirante. Foram utilizadas técnicas de iluminação pública das mais modernas que existem no mundo.

Fonte: http://mega.ist.utl.pt/~dcov/dac/

Show more
Show less
Save Cancel Want to use bold, italic, links?

Comments (4)

Germano Schüür on February 9, 2007

No alto do mirante da Boa Viagem, ele é soberano. O Museu de Arte Contemporânea de Niterói impôs-se diante da bela paisagem à sua volta e tornou-se um símbolo da ousadia humana de intervir na natureza de forma harmoniosa. O MAC-Niterói é uma combinação perfeita da genialidade do arquiteto Oscar Niemeyer com os contornos da Baía de Guanabara e a magnitude das obras de arte da Colecção João Sattamini. O Museu de Arte Contemporânea de Niterói começou a ser construído em 1991, no primeiro governo de Jorge Roberto Silveira, quando era presidente da Empresa Municipal de Urbanização e Saneamento - Emusa - José Roberto Mocarzel, e Secretário de Cultura, Italo Campofiorito. Foi concluído na gestão do prefeito João Sampaio, em 2 de Setembro de 1996, sendo Guilherme, presidente da Emusa, e Luiz Antonio de Farias Mello, o Secretário da Cultura. A enorme estrutura tem linhas suaves. Uma escultura, com 16 metros de altura e 50 de diâmetro, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói conta com três pavimentos elevados e um subterrâneo. Uma grande rampa externa em betão vermelho conduz o visitante através de curvas livres no espaço às duas entradas distintas dos pavimentos superiores. O primeiro piso é ocupado pela recepção e por toda a área administrativa do MAC-Niterói. O Salão de Exposições - com 1000m² de área - fica no segundo piso, por onde se tem acesso à varanda panorâmica e aos seus 360 graus de céu e mar, emoldurados pelas montanhas da Baía de Guanabara. O mezanino, sobre o salão principal, circunda todo o interior do museu e é compartimentado em seis salas menores. Tanto a varanda panorâmica quanto o mezanino também são reservados a exposições. No subsolo estão localizadas zonas de armazém, uma plataforma elevatória para o transporte de obras de arte para o salão de exposições, as instalações de equipamentos técnicos, o bar, o restaurante e um auditório com capacidade para 60 pessoas, onde são realizadas palestras e conferências.

O MAC-Niterói está plantado numa praça aberta de 2.500m², toda em placas de betão. Fiel às características modernistas, Oscar Niemeyer não deixou que pequenos elementos interferissem na unidade de sua obra. As intervenções no exterior são o espelho d'água, na base do museu, criando a ilusão de ausência de peso, e um relvado separando a praça das escarpas do Mirante da Boa Viagem. Anna Maria Niemeyer foi responsável pelo projecto de decoração e mobilário. O projecto de infraestrutura foi da responsabilidade do Eng. Bruno Contarini. Os projectos de iluminação ambiental e de iluminação monumental foram da autoria de Peter Gasper. Externamente, o museu é iluminado por 36 faróis de avião, imersos no espelho d'água. A luz tangencial, de baixo para cima, causa ao observador a ilusão de que o edifício está suspenso, flutuando sobre o Mirante. Foram utilizadas técnicas de iluminação pública das mais modernas que existem no mundo.

Fonte: http://mega.ist.utl.pt/~dcov/dac/

Conheça meu trabalho em PHOTOGRAPHIA

Luiz Augusto Barroso on March 25, 2007

AO FUNDO, A PRAIA DE ICARAÍ.

pureza silva on February 5, 2009

É um dos melhores momentos da caminhada. Nada mais repousante do que se deixar ficar.

Carlos A. N. Amorim on February 5, 2013

Bela imagem! Gosto do ângulo e das cores. G 2. Tenho em minha galeria algumas fotos de lá.

Sign up to comment. Sign in if you already did it.

Germano Schüür
Caxias do Sul \u002D Rio Grande do Sul, República Federativa do Brasil

Photo details

  • Uploaded on February 9, 2007
  • © All Rights Reserved
    by Germano Schüür
    • Camera: SONY DSC-T7
    • Taken on 2006/04/22 13:08:27
    • Exposure: 0.001s (1/800)
    • Focal Length: 10.65mm
    • F/Stop: f/9.000
    • ISO Speed: ISO200
    • Exposure Bias: -0.90 EV
    • No flash

Groups