Germano Schüür
photos
on Google Maps
views
Passing through a few tracks of this wonderful world verbally indescribable, the least I can do is shoot and share my views with so many others who travel and record other spaces. Welcome to my views and do not forget to share yours. __________________________________ De passagem por algumas trilhas deste maravilhoso planeta verbalmente indescritível, o mínimo que posso fazer é fotografar e compartilhar minhas visões, com tantos outros que percorrem e registram outros espaços. Seja bem-vindo às minhas visões e não esqueça de compartilhar as suas. "Para tirar uma boa fotografia, em primeiro lugar é essencial sentir a emoção de viver e ter a criatividade de procurar todos os melhores recursos técnicos para poder registrá-la." GS _________________________________ Germano Schüür / Biólogo e Fotógrafo. _________________________________ Caxias do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil _________________________________ http://www.photographia.com.br

Germano Schüür's conversations

Bela foto, momento único.

GUT GESEHEN UND UMGESETZT YSL M

Festival Internacional de Balonismo de Torres No ano de 1989 surgiu a idéia de trazer alguns balões para a abertura de um outro festival que era realizado no município, o sucesso foi tão grande que, a partir do ano seguinte, surgia o I Festival Sulbrasileiro de Balonismo. O I Festival de Balonismo de Torres contou com a presença de dez balões. O evento, que era inédito no sul do Brasil teve sua primeira edição no mês de Outubro, mas os ventos não foram muito favoráveis e impediram a realização de algumas provas. A segunda edição em 1990, foi transferida para o mês de abril, mês com ótimas condições climáticas para o vôo. Com quinze balões e centenas de pessoas prestigiando o evento, e o mês de abril passou a ser o mês oficial do festival até os dias de hoje. Esperado pelos moradores da cidade, que praticamente vivem do turismo. Esta praia tornou-se ao longo destes anos a Capital Brasileira do Balonismo, e recebe cerca de 100.000 pessoas por ano no Parque de Balonismo no período de realização do Festival. No Balonismo, os pilotos enfrentam uma série de provas que os possibilita demonstrarem todos os conhecimentos. As provas do Festival de Balonismo Caça à Raposa: Um balão decola em vôo livre e, passado cerca de dez minutos, o juiz autoriza a decolagem dos demais, que devem persegui-lo. O balão raposa faz o possível para dificultar a perseguição. Ganha a prova o balonista perseguidor que pousar mais perto deste balão raposa. Fly In: Os balões decolam fora da área do festival tentando jogar suas marcas o mais próximo possível de um alvo delimitado dentro da área do evento. Cotovelo: Nesta tarefa, o balonista decola, voa para um alvo, atinge-o com a marca e depois, desviando o rumo, voa para um segundo alvo e joga outra marca. Ganha mais pontos o balonista que, nessa mudança de rumo, fizer um ângulo mais apertado. Distância Máxima: Cada balonista só pode lançar sua marca após um determinado período de vôo. Ganha mais pontos o balonista que lançar sua marca mais distante do local de decolagem. Esta tarefa é feita em dias de ventos fortes. Distância Mínima: Tarefa normalmente feita em dias de vento fraco. O balonista só pode lançar sua marca após determinado período de vôo. Ganha mais pontos aquele que tiver percorrido a menor distância. Até a Linha: Escolhe-se um local e os balões voam em sua direção. Vence a prova quem fizer o percurso em menos tempo. Prova do Mastro: Uma das provas disputadas com mais entusiasmo pelos pilotos, tanto pela dificuldade quanto pelos prêmios oferecidos. Nesta prova é colocada uma chave de madeira de um tamanho razoável. Quem apanhá-la ganha um carro 0 km. A chave fica fixada no alto de um mastro de 6 a 10m de comprimento. Todos os concorrentes decolam de uma distância mínima de 3 quilômetros do local onde está o mastro e o objetivo é, sem tocar no solo, apanhar com as mãos a chave do carro (dados baseados no Wikipedia).

Festival Internacional de Balonismo de Torres No ano de 1989 surgiu a idéia de trazer alguns balões para a abertura de um outro festival que era realizado no município, o sucesso foi tão grande que, a partir do ano seguinte, surgia o I Festival Sulbrasileiro de Balonismo. O I Festival de Balonismo de Torres contou com a presença de dez balões. O evento, que era inédito no sul do Brasil teve sua primeira edição no mês de Outubro, mas os ventos não foram muito favoráveis e impediram a realização de algumas provas. A segunda edição em 1990, foi transferida para o mês de abril, mês com ótimas condições climáticas para o vôo. Com quinze balões e centenas de pessoas prestigiando o evento, e o mês de abril passou a ser o mês oficial do festival até os dias de hoje. Esperado pelos moradores da cidade, que praticamente vivem do turismo. Esta praia tornou-se ao longo destes anos a Capital Brasileira do Balonismo, e recebe cerca de 100.000 pessoas por ano no Parque de Balonismo no período de realização do Festival. No Balonismo, os pilotos enfrentam uma série de provas que os possibilita demonstrarem todos os conhecimentos. As provas do Festival de Balonismo Caça à Raposa: Um balão decola em vôo livre e, passado cerca de dez minutos, o juiz autoriza a decolagem dos demais, que devem persegui-lo. O balão raposa faz o possível para dificultar a perseguição. Ganha a prova o balonista perseguidor que pousar mais perto deste balão raposa. Fly In: Os balões decolam fora da área do festival tentando jogar suas marcas o mais próximo possível de um alvo delimitado dentro da área do evento. Cotovelo: Nesta tarefa, o balonista decola, voa para um alvo, atinge-o com a marca e depois, desviando o rumo, voa para um segundo alvo e joga outra marca. Ganha mais pontos o balonista que, nessa mudança de rumo, fizer um ângulo mais apertado. Distância Máxima: Cada balonista só pode lançar sua marca após um determinado período de vôo. Ganha mais pontos o balonista que lançar sua marca mais distante do local de decolagem. Esta tarefa é feita em dias de ventos fortes. Distância Mínima: Tarefa normalmente feita em dias de vento fraco. O balonista só pode lançar sua marca após determinado período de vôo. Ganha mais pontos aquele que tiver percorrido a menor distância. Até a Linha: Escolhe-se um local e os balões voam em sua direção. Vence a prova quem fizer o percurso em menos tempo. Prova do Mastro: Uma das provas disputadas com mais entusiasmo pelos pilotos, tanto pela dificuldade quanto pelos prêmios oferecidos. Nesta prova é colocada uma chave de madeira de um tamanho razoável. Quem apanhá-la ganha um carro 0 km. A chave fica fixada no alto de um mastro de 6 a 10m de comprimento. Todos os concorrentes decolam de uma distância mínima de 3 quilômetros do local onde está o mastro e o objetivo é, sem tocar no solo, apanhar com as mãos a chave do carro (dados baseados no Wikipedia).

Festival Internacional de Balonismo de Torres No ano de 1989 surgiu a idéia de trazer alguns balões para a abertura de um outro festival que era realizado no município, o sucesso foi tão grande que, a partir do ano seguinte, surgia o I Festival Sulbrasileiro de Balonismo. O I Festival de Balonismo de Torres contou com a presença de dez balões. O evento, que era inédito no sul do Brasil teve sua primeira edição no mês de Outubro, mas os ventos não foram muito favoráveis e impediram a realização de algumas provas. A segunda edição em 1990, foi transferida para o mês de abril, mês com ótimas condições climáticas para o vôo. Com quinze balões e centenas de pessoas prestigiando o evento, e o mês de abril passou a ser o mês oficial do festival até os dias de hoje. Esperado pelos moradores da cidade, que praticamente vivem do turismo. Esta praia tornou-se ao longo destes anos a Capital Brasileira do Balonismo, e recebe cerca de 100.000 pessoas por ano no Parque de Balonismo no período de realização do Festival. No Balonismo, os pilotos enfrentam uma série de provas que os possibilita demonstrarem todos os conhecimentos. As provas do Festival de Balonismo Caça à Raposa: Um balão decola em vôo livre e, passado cerca de dez minutos, o juiz autoriza a decolagem dos demais, que devem persegui-lo. O balão raposa faz o possível para dificultar a perseguição. Ganha a prova o balonista perseguidor que pousar mais perto deste balão raposa. Fly In: Os balões decolam fora da área do festival tentando jogar suas marcas o mais próximo possível de um alvo delimitado dentro da área do evento. Cotovelo: Nesta tarefa, o balonista decola, voa para um alvo, atinge-o com a marca e depois, desviando o rumo, voa para um segundo alvo e joga outra marca. Ganha mais pontos o balonista que, nessa mudança de rumo, fizer um ângulo mais apertado. Distância Máxima: Cada balonista só pode lançar sua marca após um determinado período de vôo. Ganha mais pontos o balonista que lançar sua marca mais distante do local de decolagem. Esta tarefa é feita em dias de ventos fortes. Distância Mínima: Tarefa normalmente feita em dias de vento fraco. O balonista só pode lançar sua marca após determinado período de vôo. Ganha mais pontos aquele que tiver percorrido a menor distância. Até a Linha: Escolhe-se um local e os balões voam em sua direção. Vence a prova quem fizer o percurso em menos tempo. Prova do Mastro: Uma das provas disputadas com mais entusiasmo pelos pilotos, tanto pela dificuldade quanto pelos prêmios oferecidos. Nesta prova é colocada uma chave de madeira de um tamanho razoável. Quem apanhá-la ganha um carro 0 km. A chave fica fixada no alto de um mastro de 6 a 10m de comprimento. Todos os concorrentes decolam de uma distância mínima de 3 quilômetros do local onde está o mastro e o objetivo é, sem tocar no solo, apanhar com as mãos a chave do carro (dados baseados no Wikipedia). Sho

Tapico - Many thanks for your visit and comments – Best regards from Athens

A magnificent capture! F&L, Jean

Thanks Petr!!!

This is really a nice place, i can say one of my favorites here in my country! :D

Best regards to you,

Gui

Hey Anupam!!!

Thank you soooo much!

Always good to see you here!

Best regards,

Gui

« Previous12345678...4950Next »

Tags

Friends

  • loading Loading…

 

Germano Schüür's groups