Eladio Cortizo
photos
on Google Maps
views
Andar istes vieiros sin presa e sin arelas, coma quen non tivese na ialma outro degaro que camiñar ás toas, deleixado do mundo, dos homes, das obrigas... Largar os ollos polo campo aberto, a solprender o voo dos papafigos ou a sombra das nubens silandeiras; pór ouvidos no zoar das vespas, na música das herbas que se falan ou na témera orquesta dos penedos. Andar, andar, andar, sin ter conta do tempo nin da vida, e coller o misterio en cada volta; deitarse logo baixo os ameneiros a platicar cos merlos, sabidores do segredo frescor dos canavales. Mergullarse no río a apreixar o tesouro das areas que escintilan ao sol coma brilantes; correr ispido polos outos millos, tripar as herbas e sentir o alento do seu recendo unxir o corpo todo....(Xosé M. Álvarez Blázquez)

Eladio Cortizo's conversations

“Subida à Calcedónia, uma das coroas de glória cá da serra. A tarde estava como um veludo, e as fragas, amolecidas pela luz, pareciam broas de pão a arrefecer. Do alto, a paisagem à volta era dum aconchego de berço. Muros sucessivos de cristas - círculos concêntricos de esterilidade – envolviam e preservavam a solidão.” Gerez, 6 de Agosto de 1952 – Miguel Torga, Diário VII

As tentacións, de todo tipo, pendían sobre a cabeza dos cristiáns, sempre vixiando agochadas nos tellados e agardando o intre de caer sobre os incautos e apropiarse da súa alma. A salvación parecía clara: traspasar a porta e penetrar no recinto sagrado. No caso do canzorro quinto, dos catorce que conserva Garabás, representa un porco, animal omnívoro asociado a luxuria, a pereza e a gula. Saúdos

Sobre uma serra inacessivél está situado o tal castelo, em forma prolongada, diviso em dous de pedra de cantaria. Não sei quem possa defender entrada, nem passagem, e o préstomo que lhe julgo é servir para ninhos de águias (onde há muitas) e covil de ladrões. Oa moradores de Castro, gente indómita e intratavél, estão aliançados com os galegos. (Brandão, 1758)

Afinal, o Porto, para verdadeiramente honrar o nome que tem, é, primeiro que tudo, este largo regaço aberto para o rio, mas que só do rio se vê, ou então, por estreitas bocas fechadas por muretes, pode o viajante debruçar-se para o ar livre e ter a ilusão de que todo o Porto é a Ribeira.»

José Saramago

A cibela é o cordello que pasa por debaixo da cabeza do animal. Descoñecía o termo chancil, pero, polo que leo, este sería "cada un dos paus laterais do xugo entre os que se mete o pescozo do gando de tiro". Cibela entre chancís, polo tanto. Queda o bautismo completo, elcorty. Un saúdo.

Tags

Friends

  • loading Loading…

 

Eladio Cortizo's groups